15.5 C
fpolis
terça-feira, agosto 16, 2022
Cinesystem Villa Romana Shopping

Quase um terço das crianças com deficiência sofreram violência – veja como reduzir os números

spot_imgspot_img

Quase um terço das crianças com deficiência sofreram violência – veja como reduzir os números

spot_imgspot_img

Os seres humanos são seres resilientes e poderosos, mas ambientes hostis e situações de vida difíceis podem ser debilitantes até mesmo para os melhores de nós. Os infelizes entre nós que têm que viver a vida com deficiências físicas e deficiências são um desses grupos que lutam todos os dias para se encaixar em um mundo que não foi projetado para eles. Apesar de nossos melhores esforços para tornar a vida cotidiana mais acolhedora e confortável, aspectos importantes não podem ser totalmente atendidos.

Apesar das recentes melhorias na conscientização e na legislação, crianças e adolescentes com deficiência ainda enfrentam abuso e negligência física, sexual e emocional em taxas muito maiores do que as crianças sem deficiência. Este artigo oferece o quadro mais completo até agora da violência que afeta crianças com deficiência em todo o mundo.

Mitos e equívocos comuns em torno de crianças com deficiência

Mito 1: “Crianças com deficiência intelectual não podem sofrer traumas porque não conseguem se lembrar do que aconteceu.”

Mito 2: “Não é apropriado falar com crianças com deficiência sobre sexualidade. Eles não conseguem entender e isso só vai colocar ideias em suas cabeças. “

Mito 3: “Ninguém machucaria uma criança com deficiência.” A deficiência protege-os e compra-lhes simpatia. “

Além dessas falsidades declaradas, existem inúmeros mitos sobre o abuso sexual de crianças com deficiência. Apesar do fato de que estes são totalmente falsos, eles, no entanto, exigem seu desmascaramento abrangente. O abuso sexual de crianças com deficiência também sugere uma influência significativa na sociedade, nas famílias e nas crianças. Então, vamos falar sobre isso estatisticamente para entender melhor a gravidade desse problema.

Estatísticas sobre crianças com deficiência

Estima-se que cerca de 291 milhões de crianças e adolescentes, ou cerca de 11%, sejam afetados por deficiência intelectual, epilepsia, deficiência visual ou perda auditiva. Existem várias outras deficiências físicas e mentais. Nos países de baixa e média renda (LMIC), as crianças com deficiência representam mais de 94% da população.

O aumento das taxas de violência sofridas por crianças com deficiência é resultado de sistemas inadequados de segurança e apoio social, estigma e preconceito e falta de conhecimento sobre deficiências. A pobreza e o isolamento social têm o potencial de piorar essa condição.

As crianças com deficiência sofrem dificuldades especiais, como a incapacidade de se expressar ou se proteger, o que pode torná-las alvo de violência.

Riscos e Fatores de Proteção

Pesquisas mostram que crianças com deficiência enfrentam vários fatores de risco que as colocam em maior risco de maus-tratos do que crianças sem deficiência, mesmo que nenhum fator de risco garanta que uma criança sofra abuso ou negligência. Crianças com deficiência e suas famílias frequentemente lidam com fatores de risco social, incluindo isolamento, preconceito e falta de apoio que podem aumentar o risco de abuso.

Além disso, podem ser mais vulneráveis ​​a maus-tratos devido a fatores de risco associados à família, pais, filhos e deficiência específica. Esses fatores de risco são discutidos nesta seção, que também destaca fatores de proteção e abuso em contextos institucionais e não familiares.

● Fatores de risco familiares e parentais

Criar uma criança com deficiência tem uma variedade de fatores de risco familiares ou parentais que aumentam a possibilidade de que a criança sofra abuso ou negligência. No entanto, em casos tão especiais, não são apenas as crianças que precisam permanecer fortes, mas também os pais. As circunstâncias e o entorno têm grandes impactos na saúde humana, tanto física quanto mental.

● Estresse

Cargas financeiras, preocupações com o bem-estar e o futuro de seus filhos, estigma real ou percebido, problemas para controlar o comportamento e a necessidade de oferecer assistência e supervisão mais contínuas aos filhos contribuem para que os pais se sintam mais estressados. A probabilidade de uma criança sofrer lesões corporais como resultado do estresse parental persistente pode aumentar.

● Interrupções nas relações pai-filho

O relacionamento entre um pai e seu filho especial pode ser afetado por uma variedade de coisas, como a reação negativa dos pais à deficiência da criança, as expectativas irreais dos pais sobre o crescimento ou as habilidades da criança, depressão pós-parto e a demonstração de deficiência da criança. comportamentos relacionados que os pais interpretam erroneamente como desinteresse da criança por eles.

● Isolamento e suporte limitado

Um pai que está criando uma criança com deficiência, mas recebe pouca ou nenhuma ajuda, pode ficar mais estressado tanto como pai quanto como família. Um pai pode negligenciar seu filho se não puder suprir suas necessidades físicas ou materiais devido ao isolamento e à falta de apoio.

Crianças com deficiências são mais propensas a serem abusadas por algumas outras boas razões. Estes incluem a necessidade de assistência com cuidados pessoais, o desejo de se encaixar e ganhar a aprovação dos outros, a incapacidade de denunciar abuso por causa de problemas de comunicação; restrições físicas que impossibilitam a fuga; dependência e confiança do cuidador; falta de conhecimento sobre sexualidade saudável e abuso sexual; e mitos sociais de que uma deficiência os protege do abuso sexual.

Como reduzir o número de violência entre crianças com deficiência?

O isolamento forçado também não é a resposta para nenhum desses problemas. Você pode pensar que com uma tonelada métrica de bloqueios físicos e mentais para os deficientes, trancá-los em casa e restringir as interações sociais para eles é a opção mais saudável. Mas não é.

Você precisa de uma maneira de se manter relaxado enquanto estiver fora de casa e também ficar de olho em seu filho com deficiência. Para rastrear as atividades do seu filho e saber o que está acontecendo ao seu redor, nada poderia ser mais útil do que uma ferramenta de monitoramento como o aplicativo XNSPY para rastrear as atividades de qualquer celular de forma discreta.

Os pais podem usar o XNSPY para cuidar bem de seus filhos com deficiência e saber se eles estão indo bem quando não estão por perto.

Como dito anteriormente, você deve ser incomodado ao sair e deixar seu filho em casa sozinho. Por precaução, instale o Xnspy no telefone do seu filho e relaxe por ser paranóico. Este aplicativo de monitoramento de telefone possui muitos recursos de rastreamento que podem ajudá-lo de várias maneiras.

Por exemplo, quando você está fora e deixa seu filho com algum parente, você pode utilizar o recurso de gravação surround do XNSPY. Com esse recurso, você pode ouvir facilmente o que está acontecendo ao redor de seu filho com deficiência. Você pode facilmente observar se a pessoa está planejando algo errado e provocando seu filho.

Além disso, o mesmo recurso do XNSPY pode ajudar seu filho na escola. O bullying em pessoa é mais comum (37%) do que o cyberbullying (23%). Então, nesse caso, você pode denunciar o agressor às autoridades da escola para ensinar uma lição aos agressores. Portanto, se seu filho com deficiência está recebendo mensagens ou coisas abusivas, você pode considerar o XNSPY como uma solução, pois garante a segurança digital.

No entanto, existem algumas outras soluções que você deve considerar para a higiene pessoal do seu filho, que são:

• Instrua as crianças sobre limites, toque seguro, consentimento e como dizer não.

• Discuta a evolução da sexualidade com as crianças.

• Incentive os jovens a denunciar abusos com confiança.

• Evite assumir que todo comportamento é causado por uma deficiência e ignorá-la.

• Se ocorrer uma agressão sexual, denuncie e obtenha assistência.

Conclusão

Crianças com deficiência não são “protegidas” de abuso sexual; na verdade, eles estão em maior risco. Você pode proteger melhor seu filho seguindo os conselhos dados acima. Não permita que os mitos convencionais impeçam você ou seu filho de se educar.

Tome decisões melhores por eles e incentive-os a serem responsáveis ​​por conta própria também. E com a tecnologia ao seu lado, ajudar seu filho com deficiência mental e física pode ser um caminho muito menos traiçoeiro.

editor.deolhonailhahttps://www.deolhonailha.com.br
O DeOlhoNaIlha é um portal de propriedade da NacionalVOX - Agência Digital, de Florianópolis. Seu lema é "Fique por dentro de Floripa" e seu objetivo é deixar os moradores e visitantes da Ilha da Magia muito bem informados sobre tudo o que acontece na cidade e região.
spot_img

Leia mais