19.2 C
fpolis
sexta-feira, outubro 15, 2021
cinesytem

Como empresas catarinenses estão usando compliance para evitar fraudes

spot_img

Como empresas catarinenses estão usando compliance para evitar fraudes

spot_img

Com o uso de tecnologia e programas de integridade, empresas estão se movimentando para acabar com a figura do corruptor

O governo está promovendo ações para combater a corrupção, como a Operação Lava-Jato e a nova Lei anticorrupção. Percebendo a urgência da pauta, empresas de Santa Catarina estão se mobilizando para criar programas que combatam subornos e fraudes internas. Confira aqui três iniciativas internas que empresas do ecossistema catarinense adotaram.

Para Fernando Salla, CEO da Effecti, startup de Rio do Sul especializada em desenvolver automação para fornecedores participantes de licitações, é necessário promover a união entre o setor privado e o Estado para combater fraudes e corrupção. “Não podemos esquecer que se existe um corrupto, é porque existe um corruptor”, comenta Fernando. Segundo pesquisa da KPMG, 51% dos agentes envolvidos em corrupção nas empresas eram executivos, e desses, havia uma concentração maior no cargo de CEO. 61% dos fraudadores foram identificados através de denúncias. Os dados reforçam a importância de empresas investirem em iniciativas anticorrupção e no compliance, programas que buscam garantir que a empresa esteja em conformidade com a lei. 

Oito pilares para prevenir 

Desde 2016 a Softplan implementou um programa de compliance, como um mecanismo para disseminar uma cultura empresarial ética e de conformidade com as normas externas e internas, adotou medidas de prevenção, detecção e remediação de desvios entre a conduta esperada e estabelecida no Código de Conduta e a praticada pelos colaboradores e terceiros. O programa de compliance da Softplan é composto por 8 pilares que preveem um conjunto de ações: 1) Apoio da alta administração; 2) Recursos de compliance; 3) Gestão dos riscos de compliance; 4) Políticas de compliance; 5) Treinamento e comunicação; 6) Diligências de integridade para contratação de terceiros; 7) Monitoramento e auditoria; e 8) Canal de Ética. A companhia também conta com o Comitê de Ética, composto por uma equipe multidisciplinar, preparada para o atendimento dos relatos recebidos no Canal de Ética, para garantir o encaminhamento e sigilo de todas as informações reportadas.

Fintech contra fraudes internas e externas

A fintech Asaas implementou o Departamento de Compliance em 2017 para estar de acordo, especialmente, com a regulamentação do Banco Central. “Como somos uma fintech, trabalhamos diariamente para estar 100% em conformidade com as normas. Assim, no Asaas, por meio da implementação do compliance, reforçamos nossos valores para que todos atuem sempre de maneira ética”, completa Thais Consiglio, responsável pelo Jurídico e Compliance da empresa. Além do compliance, desde 2013, quando iniciou as atividades, a empresa possui um Departamento de Análise Cadastral que reúne profissionais especializados em combater fraudes. “O Asaas, startup que atua com gestão de pagamentos e cobranças, tem como uma das prioridades a segurança, por isso, desde o início da empresa temos um departamento que trabalha na análise e monitoramento das transações com o objetivo de prevenir fraudes e o uso da ferramenta para fins ilícitos”, explica Mônica Dalosto, CRO do Asaas. 

Alinhamento com a equipe

Na Supero Tecnologia, empresa especializada em fornecer soluções em TI e alocação de profissionais da área, o programa de compliance passa por uma revisão até o fim de 2019 para estar cada vez mais em conformidade com as normas e evitar fraudes. Todos os colaboradores assinam um documento tomando ciência do Código de Ética e Conduta, seja dentro da empresa ou em relação aos projetos de clientes. “Temos profissionais altamente capacitados com acesso a muitas informações internas e estratégicas dentro da empresa e clientes. Por esse motivo, precisamos garantir que todos ajam em conformidade com as leis e normas, evitando qualquer desvio de conduta”, explica Fernando Luis da Silva, executivo de operações e negócios da Supero. Com a aproximação da entrada em vigor da Lei Geral de Proteção aos Dados, a Supero também está dando consultoria para outras empresas que precisam estruturar os seus departamentos de compliance.

Por onde começar?

Para empresas catarinenses que querem saber mais sobre segurança e compliance, o estado sediará, nos dias 20 e 21 de novembro, o evento SC Experience. O encontro debaterá compliance, segurança e práticas corporativas para empresas evitarem fraudes. O evento deve reunir mais de 400 participantes, que terão acesso a quatro trilhas de conteúdo, com palestras com os principais especialistas do país, como Patrícia Peck, head de direito digital da PG Advogados, Carlos Sobral, um dos responsáveis pela elaboração da Lei Carolina Dieckmann, e Jairo Pereira, gerente de segurança do PagSeguro UOL. Esta é a segunda edição do evento e as inscrições podem ser realizadas pelo site do SC Experience.

spot_img
spot_img