30.7 C
fpolis
segunda-feira, janeiro 24, 2022
cinesytem

Orçamento inicial está na casa dos R$ 10 milhões

Orçamento inicial está na casa dos R$ 10 milhões

spot_img

A conquista de Florianópolis em sediar o encontro do WTTC de 2009 impõe ao governo estadual o desafio de receber e causar uma boa impressão às maiores autoridades do turismo mundial.

A primeira tarefa será mensurar os investimentos necessários e começar a procurar patrocinadores. Por enquanto, como explica o secretário de Estado de Articulação Internacional, Vinicius Lummertz, a idéia mais aproximada que se tem é o orçamento da edição anterior, realizada em Dubai.

No encontro, os investimentos somaram R$ 10 milhões, sendo R$ 4 milhões provenientes do setor público e o restante de patrocinadores da iniciativa privada.

– Aqui, talvez custe mais, talvez custe menos. Depende de patrocínio, do momento da crise, depende de uma série de fatores.

Do lado estatal os custos devem ser divididos entre o governo de SC e a Embratur. Para patrocínios externos, o WTTC conta com uma lista de empresas internacionais que costumam apoiar o evento. Outras serão buscadas no país.

Lummertz acredita que os ganhos em publicidade espontânea devem superar o investimento.

– Em veículos como USA Today, Financial Times, The Economist, a cobertura é de páginas e páginas, quando não de fascículos inteiros. Isso coloca SC no mercado internacional de turismo e investidores.

Infra-estrutura terá de ser melhorada

Os desafios seguintes serão os ajustes de infra-estrutura para recepção dos convidados. Lummertz explica que problemas como a distância de um centro maior, as deficiências do aeroporto e a falta de uma rede hoteleira com padrão seis estrelas para até 800 pessoas foram fatores que contaram contra a escolha de Florianópolis .

Essas dificuldades ainda terão de ser contornadas. O secretário chama atenção, porém, para como o evento pode favorecer a cidade. No caso do aeroporto, por exemplo, cuja reforma prometida para 2010 está paralisada, a reunião do governador com o presidente Lula pode favorecer a saída das obras do papel.

(DC, 01/11/2008)

spot_img
spot_img