13.2 C
fpolis
sábado, agosto 13, 2022
Cinesystem Villa Romana Shopping

Roteiros Culturais de verão são atração para moradores e turistas de Florianópolis

spot_imgspot_img

Roteiros Culturais de verão são atração para moradores e turistas de Florianópolis

spot_imgspot_img

Desde o dia 5 de janeiro o megaevento de verão Floripa Tem promove, gratuitamente, três roteiros culturais para os mais belos pontos turísticos da capital catarinense.

Admirar a bela vista do casario jesuíta do Morro dos Conventos, conhecer os encantos da Lagoa do Peri ou aprender um pouco da história dos primeiros açorianos que chegaram à Ilha, em uma visita ao Ecomuseu e à Igreja do Ribeirão da ilha. Se você é turista em Florianópolis, ou um morador em férias que nunca acha tempo para conhecer o que a cidade oferece de melhor em cultura e beleza, aproveite o roteiro cultural do Floripa Tem, projeto de verão do Grupo RBS.

Três vezes por semana, durante todo o mês de janeiro, microônibus do Floripa Tem saem da Embaixada da Beira-Mar Norte com destino aos roteiros culturais para o Sul da Ilha, Centro e também para o Norte da Capital. Nas segundas-feiras (5, 12, 19 e 26/01) o destino é o Sul. Nas terças (6, 13, 20 e 27/01), o Centro e nas quartas-feiras (7, 14, 21 e 28/01) o Norte. As saídas estão marcadas para às 10h com retorno previsto para às 14h, exceto o roteiro Cultural Norte, com saída às 14h e chegada às 18h. Os roteiros são gratuitos e orientados por guia turístico.

O Floripa Tem conta com patrocínio da Sollys/Nestlé, cerveja Sol e Natura. Toda a programação do evento pode ser consultada no site www.floripatem.com.br. Está aberta a temporada de bons programas e diversão na Ilha!

Destaques dos Roteiros Culturais

O centro de Florianópolis é o lugar que oferece o maior número de pontos turísticos não naturais na cidade. Ali estão desde conhecidos cartões postais, como a Ponte Hercílio Luz e o Mercado Público Municipal, até obras como praças, museus, Igrejas e teatros.

Segundo Carlos Cappelini, responsável pela equipe de guias que acompanharão os roteiros, “foi no centro da antiga Desterro que Francisco Dias Velho aportou e fundou a cidade. A partir deste ponto foram sendo construídas as ruas e as casas. Isso faz do centro um ponto importante no aspecto cultural da cidade”. Atualmente, o centro é o coração político da cidade e do Estado. Também é ali que se concentra o comércio, que mantém as ruas sempre cheias de gente.

Catedral Metropolitana – A história da Catedral Metropolitana começou no ano de 1675, quando o bandeirante Francisco Dias Velho, fundador de Nossa Senhora do Desterro, começou a construir uma capela em homenagem à padroeira. Em meados do século XVIII, a capela tornou-se pequena para o número de fiéis que assistiam às missas. Isso levou José da Silva Paes, primeiro governador da antiga Capitania, a projetar uma nova Igreja para o mesmo local. Iniciada em 1748, a obra foi concluída 25 anos mais tarde.

Um dos principais chamarizes da Catedral é o acervo de arte sacra. Seu interior abriga desde 1902 a escultura “Fuga para o Egito”, do artista tirolês Demetz, que apresenta em dois blocos de cedro a fuga da Sagrada Família em tamanho natural.

Praça XV de Novembro – Com pavimentação em petit pavê reproduzindo um desenho com motivos do folclore ilhéu, feitos pelo artista plástico Hassis, a Praça XV de Novembro abriga o Monumento em Honra aos Heróis Mortos na Guerra do Paraguai e os bustos que homenageiam catarinenses famosos: Cruz e Sousa, poeta, Victor Meirelles, pintor, José Boiteux, historiador, e Jerônimo Coelho, fundador da imprensa no Estado.

Arborizada durante o século XIX, a praça recebeu árvores de grande porte, como palmeiras imperiais, ficus indianos e cravos da Índia, e a famosa Figueira Centenária. Cantada em prosa e verso pelos artistas ilhéus, a Figueira traz consigo superstições, como a de contorná-la várias vezes para atrair casamento e fortuna.

Mercado Público – O prédio que hoje abriga o Mercado Público de Florianópolis foi construído em frente à Alfândega no ano de 1898, em substituição ao antigo mercado, demolido em 1896 após 45 anos de funcionamento.

O atual Mercado Público conta com 140 boxes, onde é possível encontrar roupas, utensílios, alimentos e trabalhos de artesanato em cerâmica, palha e vime.

O prédio, com os diversos bares do vão central, é um ponto de encontro, tanto para os nativos quanto para os turistas, bem como palco de manifestações populares, do tradicional pagode de sábado e das festividades de Carnaval.

Destaques do Roteiro Sul da Ilha

Igreja do Ribeirão da Ilha – Construída em 1763, a Igreja da Nossa Senhora da Lapa do Ribeirão, situada no Distrito de Ribeirão da Ilha conserva a História do local com algumas de suas características originais.

Seguindo um padrão arquitetônico colonial, a fachada principal da Igreja apresenta frontão triangular. Atrás, erguem-se duas torres, uma cega e outra sineira.

No teto, uma pintura representa a Sagrada Família, a visita dos Reis Magos e o Cristo crucificado. Na parede sobre o um arco cruzeiro, a representação de Cristo e São João Batista. Há ainda a representação de Santa Cecília, na parede do coro.

Lagoa do Peri – Localizada no Sul da Ilha de Santa Catarina, próxima à praia da Armação, a Lagoa do Peri não pode ficar de fora do roteiro de quem visita a Ilha de Santa Catarina. Com 23 quilômetros quadrados de mata e trilhas que levam a cachoeiras, o sítio foi transformado em 1981 em Parque da Lagoa do Peri. No local, há praia de lagoa, reserva biológica e paisagem cultural, onde se pode conhecer um engenho de farinha e outro de cana-de açúcar.

Destaque do Roteiro Norte da Ilha

Fortaleza de São José da Ponta Grossa – Construídas pelos portugueses quando o Sul do Brasil era disputado por Portugal e Espanha, os fortes da Ilha de Santa Catarina compuseram um sistema defensivo para impedir a invasão espanhola nas então desconhecidas terras do Sul. As fortalezas são o legado desta época.

Localizada entre as praias de Daniela e Jurerê, no Norte da Ilha de Santa Catarina, a Fortaleza de São José da Ponta Grossa começou a ser construída em 1740, funcionando como um dos vértices do sistema triangular de defesa da Barra Norte da Ilha de Santa Catarina.

Em 1938, a Fortaleza foi tombada como Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e, em 1992, após a sua restauração, passou a ser gerenciada pela Universidade Federal de Santa Catarina. Em conjunto com a Bateria de São Caetano, construída posteriormente a leste da fortaleza, é palco de um dos mais belos cenários arquitetônicos e paisagísticos da Ilha de Santa Catarina.

Programação Roteiros Culturais

Roteiro Cultural | Sul da Ilha – segunda-feira / Das 10 às 14h

Saída: Embaixada Beira-Mar Norte

Visitas:

Ecomuseu

Mirante do Morro das Pedras

Parque da Lagoa do Peri

Casario Colonial

Igreja do Ribeirão da Ilha

Roteiro Cultural | Centro – terça-feira/ Das 10h às 13h

Saída: Embaixada Beira-Mar Norte

Visitas:

Forte Santana

Museu Major Lara Ribas

Mausoléu do Gov. Hercílio Luz (Cabeceira da ponte)

Praça dos 3 Poderes

Praça XV de Novembro

Catedral Metropolitana

Museu Histórico de Santa Catarina (Cruz e Sousa)

Igreja de São Francisco

Largo da Alfândega

Mercado Público

Roteiro Cultural | Norte – quarta-feira / Das 14h às 18h

Saída: Embaixada Beira-Mar Norte

Visitas:

Forte de São José da Ponta Grossa

Sapiens Parque

Oficina Lítica (Ingleses)

Parque do Rio Vermelho

Mirante da Mole

Mirante da Lagoa

Por Jésica Maia

spot_img

Leia mais